Warning: Undefined array key "options" in /home/u630391222/domains/irmasdospobres.com/public_html/wp-content/plugins/elementor-pro/modules/theme-builder/widgets/site-logo.php on line 194
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

Irmã Dinarosa

Um prego fixo

Estou aqui para servir os pobres, o Pai eterno me ajudará… A minha missão é aquela de servir os pobres… O que fez o meu Fundador? Estou aqui para seguir seus passos. Estas palavras de irmã Dinarosa assumem o valor de uma entrega, manifestando o segredo de uma vida que ao passar dos anos rendeu mais intensamente e apaixonada. É o hino do serviço aos pobres, porque cada ser humano experimente a ternura de Deus. É a realização de um sonho que deixou marcas de bem na terra africana.

Irmã Dinarosa Belleri, nascida em 1936 começa logo a sonhar alto. Na sua casa em Caillina, pequeno lugarejo de Valtrompia (Brescia), o pai Battista e a mãe Maria Riboldi, com o modo de vida transmitem o gosto e a beleza da fé para a menina.

Teresinha, este é o seu nome de batismo, frequenta a escola fundamental no período em que a Itália está em guerra. Na paróquia e no oratório, onde estão presentes as Irmãs dos Pobres, aprende a ter o olhar de Cristo para cada ser humano e, sobretudo para os mais pobres e abandonados. É vivaz e cheia de energia. Na sua formação cristà ressoa frequentemente o refrão oração, ação, sacrifício.

Aprende o trabalho de costureira. Não é um trabalho apaixonante para uma jovem exuberante e amante da alegria. Assim que se abre a possibilidade de um trabalho na fábrica, deixa agulha, tesoura e fio para se empenhar com os parafusos de ferro na fábrica . A distância de 11 km não a desanima. Não está sozinha, com ela estão outras jovens que com as bicicletas se deslocam ao lugar do trabalho.

A última parte da estrada é uma subida acentuada para as bicicletas. Um verdadeiro cansaço. As jovens deixam as bicicletas em um depósito e vão com o ônibus de linha. Teresinha tem o dinheiro no bolso para a passagem, mas escolhe enfrentar a estrada ida e volta à pé. O dinheiro economizado se destina para realizar o seu sonho: adquirir
seus materiais para entrar no convento e se consagrar.

O seu caminho formativo na Congregação das Irmãs dos Pobres inicia no dia 18 de março de 1957. Relaciona-se bem com as jovens que também estão em discernimento vocacional. É alegre, serena e sabe simplificar com seu espontâneo sorriso as situações mais difíceis. Sempre tem uma boa palavra para todos… No rito da entrega das vestes, recebe o nome de irmã Dinarosa. Sente-se fascinada pela frase do Fundador: “Eu procuro e recolho o refugo dos outros, porque onde os outros já fazem, o fazem muito melhor do que eu poderia fazer, mas onde os outros não fazem, eu procuro fazer alguma coisa, assim como posso.”

Medita-a e a faz objeto de seus pensamentos e da sua oração. Nas adorações reza em particular para os pobres sozinhos e abandonados nas terras distantes… Quando a Madre Geral, um dia após a primeira profissão religiosa no dia 03 de outubro de 1959, a comunica que deverá estudar enfermagem, irmã Dinarosa fica extraordinariamente feliz. Vê nesta orientação um sinal de Deus para o seu futuro: ir à missão e curar os doentes contagiosos. Obtêm o diploma de enfermeira profissional em Roma) e realiza a prática (estágio) em Cagliari em um hospital no litoral, especializado em tuberculose. As Irmãs dos Pobres a serviço dos doentes são por volta de 30 e vivem em condições de extrema pobreza: dormem em cabanas usadas pelos militares durante a guerra e cozinham à beira mar. Irmã Dinarosa presta seu serviço de enfermagem na sala de cirurgia e em cada setor em que é solicitada.

 

O hospital para ela é uma academia profissional, mas é também a varanda no mar imenso e infinito que diariamente se abre aos seus olhos e aumenta nela o desejo da missão.

Em outubro de 1966, irmã Dinarosa recebe a destinação para o Centro Hospitalar de Mosango (África) que por 17 anos se torna a “sua casa”, a casa da misericórdia. Tem mãos que medicam com doçura e desenvoltura; tem um olhar que transmite confiança e tem palavras esperançosas e confortadoras. Leprosos, tuberculosos e outros doentes graves são os seus preferidos, juntamente com as crianças: cada vez que curava uma criança florescia no seu rosto o sorriso, irmã Dinarosa ficava feliz. Na ocasião do seu primeiro retorno à Itália, especializa a sua formação em medicina tropical no Instituto Princ Léopold ad Anversa (Bélgica).

Aos 40 anos com uma rica experiência de vida, as superioras a transferem para Kikwit. Irmã Dinarosa tem a “língua solta”: ama sorrir, brincar, falar, mas não gosta de escrever. As suas cartas são os pobres. Os escritos na sua vida são raríssimos. Por isto são ainda mais preciosos. . Irmã Dinarosa não ama discursos sobre a pobreza. O importante não é falar, mas compartilhar.

Em janeiro de 1995, em Kikwit e no território circunvizinho se registra um
aumento de mortos . Quando irmã Floralba morre, irmã Dinarosa continua, como sempre, o seu trabalho dedicado e generoso. Aliás, o intensifica. Entre os doentes, naquele dia estão duas enfermeiras a ela muito queridas. Ela as acompanha até a morte. São dias em que o contágio cresce excessivamente. Irmã Dinarosa desenvolta, corajosa e forte, na primeira semana de maio começa a perceber uma canseira intensa. Ao cansaço, se acrescenta a febre alta e persistente. Os médicos prescrevem antimaláricos e antibióticos. Mas nenhum medicamento tem eficácia. Irmã Annamaria Arcaro, assim relata o epílogo da vida de irmã Dinarosa: Por volta das 3 da manhã do dia 14 de maio irmã Dinarosa não respondia mais e a respiração estava acelerada. Tinha entrado em coma. Daquele momento em diante fizemos a vigília em duas. Irmã Dinarosa não acordou mais do coma e às 9h deu o último suspiro; passou docemente do sono ao grande sono do Senhor. A preparamos, vestindo-a com seu hábito branco, com o véu e o seu crucifixo. Coloquei em volta do seu leito hibiscos vermelhos e rosa. Estava linda, em uma grande paz,
pronta para o encontro com o Senhor que havia tanto amado, servido e dado a sua vida por amor aos irmãos.

Decreto de beatificação e canonização da serva de Deus Irmã Dinarosa:​

Comente o que achou:

Veja Mais

Posts Relacionados:

Comunidade de Paranaguá

Comunidade de Paranaguá

A nossa comunidade de Irmãs dos Pobres é formada por quatro Irmãs. Moramos em uma das periferias de Paranaguá, no bairro Jardim Esperança.    A nossa vida pessoal e comunitária procura

Irmã Maria Grazia Leidi

Irmã Maria Grazia Leidi

Como posso me definir? Como uma pessoa que se sente profundamente amada por Deus, na ternura infinita do seu Filho Jesus. A minha vida é um Magnificat por todas as

Hermana Clorinda

Hermana Clorinda

Olá, sou irmã Clorinda, sou uma irmã dos pobres feliz, vivo a minha consagração na simplicidade todos os dias indo ao encontro dos irmãos e irmãs pobres na pessoa dos

Hermana Barbara

Hermana Barbara

Olá , sou irmã  Barbara, uma freira de origem italiana, atualmente no Peru. Sempre me impressionou muito e experimentei a presença de Deus como Pai Infinito Providente e Amável (como

Irmã Rita Franca

Irmã Rita Franca

Nasci na Itália. Deus me abriu horizontes mais amplos. Agora estou em Paranaguá partilhando minha vida com o povo que se tornou pra mim casa e família. Sou muito feliz

Atividades

Atividades

Clique aqui