Warning: Undefined array key "options" in /home/u630391222/domains/irmasdospobres.com/public_html/wp-content/plugins/elementor-pro/modules/theme-builder/widgets/site-logo.php on line 194
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

Irmã Annelvira

Das margens do rio Oglio

Celestina Ossoli de Orzivecchi (Brescia) tinha 17 anos quando manifestou ao pai Ludovico o sonho de consagrar-se a Deus e ao serviço dos pobres. A mãe, Elvira, já sabia, mas tinha mantido para si a confidência da filha. O pai, ao invés, não sabia de nada e tinha em mente outro projeto para ela. Depois da escola fundamental em Orzivecchi, a cidade onde tinha nascido, no dia 25 de agosto de 1936, Celestina tinha aprendido corte, costura e bordado no oratório feminino com as Irmãs dos Pobres. Era uma adolescente bonita e radiante. Tinha um bom caráter cordial, alegre, pronta para a piada. Amava se divertir com jogos simples, inventados pela fantasia que a pobreza dos tempos trazia. Aos 14 anos começou a aprender tricô. Conseguia bem. Era também disponível em ajudar a mãe nas vendas no minimercado de hortifruti e de outros gêneros de consumo, e quando necessário, também ajudava o pai na horta. Ludovico, vendedor ambulante de frutas e verduras, todos os dias ia aos mercados das cidades vizinhas: um trabalho difícil, com pouco lucro, mas suficiente para manter a família e sonhar um futuro menos fadigoso que o seu para os filhos.

Foi assim que um dia, limpando a horta enquanto estava trabalhando lado a lado com Celestina, pensou que fosse o momento de fazer-lhe a surpresa que há tempo, tinha no coração: Celestina – disse – sei que aprendeu bem fazer tricô, corte e costura. Agora compro uma máquina para você costurar… Celestina sem duvidar respondeu: Não pai. Obrigada. Não compre nenhuma máquina para mim. Eu vou me tornar irmã. Ao terminar a resposta, desencadeou um temporal no ânimo de Ludovico. Instintivamente deu-lhe um tapa. O pai precisou de um pouco de tempo para superar o susto, se recompor emocionalmente, mas depois aceitou com o coração a escolha da filha.. O segredo da sua escolha o revelará mais tarde com o passar dos anos: É Jesus que deve estar no centro da nossa vida e do nosso apostolado.

No dia 05 de outubro de 1953 deixa a sua casa e a cidade. Em Bergamo com as Irmãs dos Pobres, vive o tempo de discernimento vocacional e da decisão. Assume um novo nome como religiosa: irmã Annelvira, um nome que recorda aquele da mãe. Aos 20 anos com os primeiros votos pronuncia oficialmente o seu sim. De Bérgamo para Roma: dois anos de estudos, está pronta com o diploma de enfermeira profissional e com habilitação para dirigir a equipe de enfermagem. Então, da teoria à prática, trabalha com os idosos doentes, abandonados e dependentes em Milão. Irmã Annelvira tem facilidade para relacionar-se: o seu rosto sereno e acolhedor inspira confiança e esperança.

Em 1961, se abre uma nova estrada: a missão no Congo, um país imenso, marcado por uma grave crise depois do assassinato de Lumumba, homem que tinha lutado e conquistado a independência do país da Bélgica. Parte o dia 1º de novembro 1961 para Kikwit, capital da região de Bandundu, destinada ao hospital civil em condições econômicas e higiênico-sanitárias precárias. Irmã Annelvira parte com o entusiasmo dos seus 25 anos. Coloca-se no trabalho sem reservas de energia. Tem olhos e coração para todos. Sempre disponível, com sorriso nos lábios. Não se importa com a fadiga e dificuldades, dia e noite. O clima, o ritmo de trabalho, a disponibilidade em enxugar cada lágrima, fragilizam o seu físico. Uma tuberculose pulmonar a obriga a tratar-se. Metódica e decidida como é, se recupera ligeiro. Mas ao sair da clínica Ngaliema de Kinshasa, antes de aceitar o tratamento definitivo para a recuperação, faz um pedido: que os medicamentos ministrados à ela desde o início, sejam regularmente enviados também ao hospital de Kikwit para a cura e tratamento dos tuberculosos, assim teriam menos mortos frequentes por falta de medicamentos! Pedido corajoso e decidido, que foi atendido!


Após seis anos de África, retorna à Itália. Frequenta em Roma a Escola de Obstetrícia anexa à Universidade de Estudos. Retorna para o Congo: destinação Kingasani, um dos lugares mais pobres e populosos da periferia de Kinshasa, a trinta quilômetros do centro da cidade.  As condições higiênico-sanitárias são impensáveis. Irmã Annelvira se ocupa da maternidade. Serviço em tempo integral. Em média ajuda no parto de trinta, quarenta crianças diariamente. Ela trabalha serena. Não cede à tentação da rotina: cada vez que acolhe um novo nascimento, vive o estupor pelo milagre de uma nova vida. Em Kingasani fica oito anos; é para o povo “a mulher que acolhe a vida”!

Em 1977 assume a responsabilidade da comunidade religiosa de  Kikwit, o lugar da sua primeira missão. Irmã Annelvira é incansável, mas não é tão forte em saúde. Começa a sentir fortes e persistentes dores nos joelhos, que a obrigam a fazer tratamento. As melhoras esperadas, não chegam, aliás, as suas condições físicas pioram. Não consegue mais ficar em pé e retorna para Bergamo na cadeira de rodas. Os médicos ao verem as radiografias são pessimistas. O prognóstico é de enfermidade crônica. Também a cirurgia é de risco. Irmã Annelvira não perde o ânimo. Jesus, não te peço nada, Tu sabes o que é melhor para mim, escreve em suas anotações do dia 1º de janeiro de 1980. Não obstante a perplexidade decide submeter-se à cirurgia e graças a Deus transcorre bem. Depois da reabilitação, retorna a Kikwit para o seu povo… para servir os pobres e semear entre eles a esperança e o otimismo.

O ano de 1992 marca uma surpresa na sua vida. É eleita Madre Provincial das Irmãs dos Pobres presentes na África: uma responsabilidade delicada e nada fácil.

Aos 56 anos o seu ritmo de vida precisa mudar: viagens exaustivas com imprevistos e dificuldades, saídas frequentes para visitar as comunidades no Congo, Costa do Marfim e Malawi.

Não obstante a saúde frágil e “as juntas que rangem”, irmã Annelvira não se poupa. Revela também nesta nova missão a sua essência humana rica em sensibilidade, capaz de escuta, atenta e delicada para as irmãs, cuidadosa em ajudá-las a superarem as concretas dificuldades de cada dia.

Na primavera de 1995, irmã Annelvira vive o seu Horto das Oliveiras. Informada das condições graves da irmã Floralba, enfrenta a viagem de 500 km com Jeep para lhe estar próxima. A sua presença não é de aparência. Assume os cuidados. Sabe pela sua grande competência na enfermagem,  o perigo do contágio, mas provê com coração materno prestando-se também aos serviços mais delicados e de riscos. Depois da morte de irmã Floralba acompanha com o mesmo afeto as outras irmãs contagiadas pelo Ebola.

Em 11 de maio de 1995, poucos dias antes de sentir os sintomas do Ebola, escreve para a Madre Geral:

Caríssima Madre Geral, com Maria aos pés da cruz, queremos reavivar a nossa fé e repetir o nosso Fiat (sim): Certamente Ele sabe tudo e está conosco também nesta duríssima  provação.

No dia 14 de maio, depois da morte de irmã Dinarosa, irmã Annelvira diz abertamente com desconcertante simplicidade: Penso tenha chegado a minha vez.

Irmã Annelvira, que jamais tinha deixado suas irmãs sozinhas, que lhes havia assistido dia e noite, é chamada a provação angustiante do isolamento, da solidão. Ninguém perto dela, exceto os dois médicos enviados do Centro Especializado de Atlanta. No pequeno quarto isolado em frente à casa da comunidade, irmã Annelvira, vive como cordeiro manso o dom total de si.

Somente Deus conhece o que acontece no quarto de isolamento de Kikwit. além daquela porta.

Aquela porta reabre poucos dias depois, no dia 23 de maio: o corpo desamparado de irmã Annelvira, composto em um simples caixão, não podia ser sepultado devido a um fortíssimo temporal, é transportado e deposto à entrada da casa das Irmãs dos Pobres.

Não tem ninguém para acolher e velar aquele corpo; espiritualmente no abraço de todas as irmãs dos Pobres; por disposição dos médicos, todas as irmãs dos Pobres estavam em isolamento em outra sede.

Na casa vazia, naquela noite, somente o caixão da irmã Annelvira, o testemunho de um amor tenaz, até o extremo das forças e da vida.

É o dia sucessivo à festa do Fundador. No fax do dia 23 de maio às 17h10min se lê: Irmã Annelvira a pouco entrou na paz do Senhor. “Fiat” (sim): no silêncio adorador, o olhar fixo a Jesus despido na cruz, digamos: “sim, Pai”.

Decreto de beatificação e canonização da serva de Deus Irmã Annelvira:

Comente o que achou:

Veja Mais

Posts Relacionados:

Comunidade de Paranaguá

Comunidade de Paranaguá

A nossa comunidade de Irmãs dos Pobres é formada por quatro Irmãs. Moramos em uma das periferias de Paranaguá, no bairro Jardim Esperança.    A nossa vida pessoal e comunitária procura

Irmã Maria Grazia Leidi

Irmã Maria Grazia Leidi

Como posso me definir? Como uma pessoa que se sente profundamente amada por Deus, na ternura infinita do seu Filho Jesus. A minha vida é um Magnificat por todas as

Hermana Clorinda

Hermana Clorinda

Olá, sou irmã Clorinda, sou uma irmã dos pobres feliz, vivo a minha consagração na simplicidade todos os dias indo ao encontro dos irmãos e irmãs pobres na pessoa dos

Hermana Barbara

Hermana Barbara

Olá , sou irmã  Barbara, uma freira de origem italiana, atualmente no Peru. Sempre me impressionou muito e experimentei a presença de Deus como Pai Infinito Providente e Amável (como

Irmã Rita Franca

Irmã Rita Franca

Nasci na Itália. Deus me abriu horizontes mais amplos. Agora estou em Paranaguá partilhando minha vida com o povo que se tornou pra mim casa e família. Sou muito feliz

Atividades

Atividades

Clique aqui